INSIDE Psychology / Psicologia

“Se me fizerem isto eu faço aquilo!” – não há nada mais perigoso do que uma pessoa cruel, convencida de que é uma boa pessoa

O autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal são o pilar da nossa evolução enquanto pessoas. É o que nos permite saber quais são os nossos pontos fortes, as nossas debilidades, margem para melhorar, é o que nos permite adquirir as ferramentas necessárias para viver bem em sociedade, ter compreensão do que se passa à nossa volta e no limite, sermos felizes.

É muito frequente acontecer que as nossas virtudes, os nossos pontos fortes e também os nossos pontos fracos (o que a sociedade chama de defeitos), são visíveis para as pessoas à nossa volta, mas não para nós. Quando nos deixamos influenciar pelo ego, cegamos.

Quando uma pessoa é maldosa e cruel, mas de facto não tem consciência nem lucidez para o perceber, gera muitos problemas para as pessoas que a rodeiam e para quem influencia diretamente. Estas pessoas, cegas pelo ego que carregam, farão mal, não medirão as consequências e vão sempre justificar as suas ações como se fossem extremamente bondosas e claro, por necessidade dos outros.

De resto, somos todos muito bons a bater no peito e dizer que queremos o melhor para toda a gente, no entanto, é nas pequenas ações que se conseguem ver as pessoas cruéis.

Há uns tempos ouvi de uma pessoa que se considera excecional nos seus atos: “se me fizerem isto, eu farei aquilo”. Basta de facto refletir sobre esta consequência para perceber a necessidade de vingança e com isso, o carácter da pessoa.

Pessoas más e cruéis geralmente gostam de rebaixar pessoas que percecionam como mais frágeis ou desamparadas e a crueldade é sempre acompanhada por um sentimento de superioridade: sentem-se mais e melhores do que as pessoas à sua volta; acham que têm mais do que as outras pessoas e tem de impor a sua vontade sempre.

No entanto, estas pessoas consideram mesmo que estão a fazer um favor às pessoas quando na verdade estão a desmoralizar a vida dessas pessoas, desmotivar essas pessoas, castrar sonhos e magoar muito pessoas que estão de boas intenções.

O urgente perceber é que: estas pessoas já incorporaram a maldade como se fosse bondade e nunca irão compreender o que fazem porque o ego é cego.

Pessoas cruéis, egocêntricas, convencidas que são boas pessoas, geralmente traumatizam os seus filhos para o resto das suas vidas, criam sentimentos de mau estar e inferioridade a quem com eles/elas lida de coração aberto.

Este tipo de pessoas geralmente também se faz de vítima quando vê que foi confrontada e não tem saída: “não sabes o que eu passei no passado”. Por regra querem livrar-se de responsabilidades e culpar os outros.

É importante preservar-se e colocar fim à cegueira do ego. É importante dizer a essas pessoas os padrões de comportamento que têm.

É importante meter a estas pessoas um ponto final.

Anabela dos Reis Moreira

Viajou por muitos países, conheceu muitas pessoas e muitos lugares. Aprendeu com todas as pessoas que observou e com quem conversou. Trabalhou em Portugal, na Bélgica, nos EUA e em Angola. Hoje desenvolve o seu trabalho na área da gestão de pessoas (recursos humanos), formação, coaching e mentoring. E escrita, adora escrever. Assumiu diferentes funções e colaborou com empresas em diferentes estados de maturação, quer em ambiente nacional, quer internacional. Desempenhou funções relacionadas com: gestão do talento e tarefas inerentes; gestão de recursos humanos em sentido lato e formação e desenvolvimento. A nível académico, estudou direito na Universidade de Coimbra, mas foi em Psicologia e no Porto que encontrou a sua verdadeira vocação. É certificada em Coaching, PNL e estuda todos os dias mais um pouco, vê mais um pouco, ouve mais um pouco para poder ser mais cultivada. Faz programas de shaping leaders e reshaping leaders e gosta muito do que faz. Costuma dizer às crianças que forma enquanto voluntária em educação para os direitos humanos: “quando mais soubermos, quanto mais conhecemos e sentimos, menos somos enganados”. Enfrenta cada dia com uma enorme alegria que é simples de ver e sentir!

Posts Similares